As irmandades da fala e o reintegracionismo

6 Xullo, 2016

Ola. O venres 9 esta programada unha actividade sobre as Irmandades da Fala.

Diexamos un enlace e un comentario sobre dita actividade

Galeria

1-    Con motivo da última celebración do Dia das Letras Galegas, se  fixo público público o seguinte comunicado:

A 18 de maio de 1916 funda-se na Corunha a primeira das Irmandades (dos Amigos ) da Fala, seguida polas de Santiago (a 28 de maio, dez dias depois), Monforte, Ponte Vedra, Ourense ou Vilalva.
A manife do dezassete fará-se, portanto, na véspera do Centenário das Irmandades da Fala e da Associaçom Galega da Língua (AGAL) queremos celebrá-lo como é devido.
Por isso a AGAL decidiu aderir à convocatória d’A Mesa / Queremos Galego e animar as/os nossas/os sócias/os e amigas/os a participarem na manifestaçom dentro do cortejo AGALante.
O cortejo AGALante desfilará polas ruas de Compostela com o lema “co’as Irmandades na rua, A Fala continua” e para participar nele recomenda-se a irmãos e irmãs irem ataviados/as segundo a moda dos (violentos) anos dez ou dos (loucos) anos vinte, quer dizer, como autênticos/as dándis/dandizettes”.
2. Posteriormente,  días antes da xornada festiva do 25 de Xullo o mesmo grupo publica un segundo comunicado, do cal extraemos o seguinte fragmento:
Visto o sucesso de crítica e público da performance agálica do 17 de Maio (homenagem ás Irmandades da Fala no seu Centenário), na AGAL pensámos na possibilidade de fazer neste ano tal reparto do mesmo jeito, é dizer, vestid@s como autênticos/as dándis/dandizettes.
As tórridas temperaturas previstas para o Dia da Frátria, porém, convenceram-nos da dificuldade em repetirmos modelito  (só um tolo ou umha tola viria vestid@ em pleno verão com as mesmas ‘agalas’ que naquele ameno dia primaveril).
Por isso, a organizaçom pensou num atuendo alternativo que nos permitirá fazer o reparto bem fresquinh@s sem perdermos um ápice de dandismo nem “soberania estética”: o pessoal voluntário para a distribuiçom do FEST-AGAL (e captaçom de nov@s sóci@s) será “agasalhado” pola AGAL com umhas engraçadas T-Shirts de graça (com estampados tipo ‘charleston’ para a dama e ‘smoking’ para o cavaleiro) com as que sem dúvida voltaremos a chamar a atençom de vizin@s e visitantes e com as que estaremos também bem ‘agalantes’ para as fotografias de família agálica que, em diferentes localizações, com certeza havemos de fazer-nos.
Evidentemente, @ reintegrata ISO-térmic@ pode vir vestid@ tal e qual o fijo no 17-M (se calhar os modelitos que na altura luziram as nossas irmãs som termicamente mais ligeiros). Em qualquer caso, chapéus e outros complementos dândis som bem-vindos sempre.”
O próximo día 9 na Troita trataremos de saber mais destas dúas intervencións da asociación, interesándonos polo fondo –o contido do que se celebra- e pola forma – que ven sendo un hiperrealismo sorprendente, cunha imaxe retro das Irmandades da Fala, e traslado literal a aqueles anos vinte, atuendos e pancartas sufragistas que lle dan á sua posta en escea un grande atractivo.
Nesta data haberá unha parte introdutória, con mostra fotográfica das intervençons da AGAL no 17 de Maio e no 25 de julho, a cargo de Suso Sanmartín, e unha segunda parte na que Tiago Andelo falará sobre a ideologia linguística das Irmandades (Tiago Andelo)